Poemas
 
Conteúdo desta seção:
« Retornar
 
Outros Poemas
OUTROS POEMAS
OTHER POEMS

REPEATING ONESELF

repeating oneself
in putrefied that nothing
not a hollow or apparent being

repeating oneself
in absence, not in nothing,
of soft flesh on lips

thighs, hair that
entwines in desire
not

like the night
a yawn in front of the erect
a blind narcissus ruin

is repeated:
white under black spots.

Tr. John Milton and Regina Alfarano

REPETIR-SE

repetir-se
em putrefatas que nada
nem um ser oco e aparente

repetir-se
em ausência, não em nada,
de carnes suaves em lábios

coxas, cabelos que se
emaranham em desejo
não

como a noite
bocejo diante do ereto
um narciso escombro cego

repete-se:
branco sob pontos negros.

INNER LOOK

Inner look,
inner touch -
alone, in itself,
in silence
I go inside,
the outsiders
inside out,
I concentrate
from being
inside

concentrated
in a gust
of wind
but it is inside
the inside
sometimes, a monument

other's and mine
from the outside
with them I go inside -
hair from the inside,
nails from the inside -
mirage-fragment
of breasts

OLHAR DE DENTRO

Olhar de dentro,
tocar de dentro -
só, em si mesmo,
onde em silêncio
adentro,
onde os de fora,
avessos,
me concentro
de estar
dentro

que se concentra
numa rajada
de vento
mas está dentro
do dentro -
às vezes, monumento

os dos outros e os meus
de fora
com eles entro -
cabelos de dentro,
unhas de dentro -
miragem-fragmento
de peitos

inside,
the outside distracts me
from the inner inside -
still less
than intimate, for inside -
subcutaneous
but not towards where veins end,
where there is only marrow

an inside without semblances -
inside,
for one moment
extremities
of the inside

Tr. Regina Alfarano and Dana Stevens

dentro,
e o de fora me desconcentra,
dentro do dentro -
ainda pouco
íntimo para um dentro -
subcutâneo
mas não aonde não mais veias,
onde apenas além âmago

dentro sem aparências -
dentro,
por um momento,
extremidades
do dentro

DEAD ON ME

Turned into words, what is seen is dead inside
alternate luminosity
through the lightning among the blues
in thunder

I am inside out: whatever was grasped
mislaid one of my centers

A hollow weight echoes in my head
like a wail

Tr. Regina Alfarano

MORREU-ME

Morreu-me o visto como palavra,
luminosidade intercalada
pelo raio entre os azuis
com os trovões

Eis-me aqui por dentro : o que captei
fez com que eu perdesse um de meus centros

Um peso oco soa na cabeça
como um lamento

TIME

Time struck
the branch of a glorybush
rotten, on the ground
after the rain

Withered leaves
from another tree
bent from the heat
like closed fists

Less live
now, the colors of the bird-of-paradise

The gate to the house,
not a reminder of the first day

A hole
has exhausted
part of the asphalt

The red
of the car on the corner

The blues in shades
on the building façade,
almost invisible

Colored graffiti on the walls,
also unspared by time,
have become illegible

Tr. Regina Alfarano and Dana Stevens

O TEMPO

O tempo foi de encontro
ao galho da quaresmeira
podre, no chão,
depois da chuva

Folhas murchas
de outra árvore
encurvadas pelo calor
como mãos fechadas

Menos vivas,
agora, as cores da estrelitzia

O portão da casa,
não lembra seu primeiro dia

Um buraco
exauriu
um pedaço de asfalto

O vermelho,
do automóvel na esquina

Os azuis em tons,
na fachada do edifício,
quase invisíveis

Grafites coloridos nos muros,
tampouco
poupados pelo tempo,
tornaram-se ilegíveis

LEGEND, Nº 2

Tree fragments
space imposes
on sight

Red no
to cars
under wires

In window-
like silence
this empty line.

Tr. Guy Bennet

LEGENDA, Nº 2

Fragmento de árvore
que o espaço impõe
à vista

Vermelho de não,
a automóveis,
sob fios

Em silêncio como o
vidro da janela
este momento vazio.

NO NOTHING

No nothing still the other
Similar still to the same
minimal still the other
he himself not yet the other
of the same dead another
secluded in his body

Traces still of the same
deep inside the other not yet
scars link
tattoos dissipate
bludgeoned antennas, in ink
shards of the other splinters of the other

A stilled butterfly covers
scars on a body

Tr. Regina Alfarano and Dana Stevens

NÃO NADA

Não nada ainda do outro
semelhante ainda ao mesmo
mínimo ainda o outro
ele mesmo não ainda outro
de um mesmo morto outro
insulado em seu corpo

Vincos do mesmo ainda
no íntimo do outro tampouco
cicatrizes unem
tatuagens dissipam
antenas clavadas, em tinta
cacos do outro estilhaços do outro

Uma borboleta fixa encobre
cicatrizes num corpo

<<<
Copyright © Régis Bonvicino



Topo
 
  Desenvolvido por CódigoTecnologia.com