Fortuna Crítica
 
Conteúdo desta seção:
A POESIA DE RB 
Michel Delville
Boris Schnaiderman
Carlos Drummond de Andrade
Eduardo Milán
Expresso, Lisboa
Flora Süssekind
Ignacio Vidal-Folch
Iván Humanes Bespín
João Adolfo Hansen
José Paulo Paes
Marjorie Perloff
Paulo Franchetti
Paulo Leminski
Rolando Sánchez Mejías

ATÉ AGORA 
Poesia como espaço de intervenção

CADENCIANDO-UM-NING, UM SAMBA, PARA O OUTRO 
Marjorie Perloff (2)

CÉU-ECLIPSE / SKY-ECLIPSE 
Franscisco Faria
Marcelo Coelho
Wilson Bueno

ESTADO CRÍTICO 
Orelha de Estado Crítico

ME TRANSFORMO OU O FILHO DE SÊMELE 
Rômulo Valle Salvino (3)

NOTHING THE SUN COULD NOT EXPLAIN: 20 CONTEMPORARY BRAZILIAN POETS 
Douglas Messerli
Guy Bennett
Rômulo Valle Salvino (2)

PÁGINA ÓRFà
A palavra-carcaça de Bonvicino
João Adolfo Hansen
A poesia do Agora
Aurora F. Bernardini
Altri Orizzonti
Semicerchio
Bonvicino cria entre o Refinamento e a Sucata
Alcides Villaça
Cinema de Palavras
De Ugo Giorgetti para Régis
Correio Braziliense
De Alessandro Zocca para Régis
É IMPACTANTE, É NOVO
De Paulo Franchetti para Régis
E O MUNDO LATEJA
De Nunca para Régis
ENTREVISTA AO PORTAL IG
ESPAÑOL
Página huérfana
HENRI DELUY
IN A STATION OF THE METRO
Rodrigo Rojas
IT'S NOT LOOKING GREAT! EM FINLANDÊS
Publicado na revista Tuli & Savu
Mundo Órfão
Alécio Cunha
NEM UMA DUPLA CABEÇA DE HERMES
De Nunca para Régis
Página Órfã
Paulo Franchetti
Página Órfã
PALAVRA-PORRADA CONTRA OS CONTENTES
Wilson Bueno
Sentimento do mundo
Silvano Santiago
SÉRIE POEMA DEUS
Trabalhos de León Ferrari
TEM UMA COISA DE KAFKA NISSO
De Sérgio Medeiros para Régis
VEJA RECOMENDA
Bella.com

REMORSO DO COSMOS (DE TER VINDO AO SOL) 
Alcir Pécora
Aurora F. Bernardini
Solange Rebuzzi

THE POETRY OF RÉGIS BONVICINO 
A Poesia de Régis na Rússia
Hasta Morirla
Odile Cisneros (1)
Poesia Brasileira em Barcelona
Carlito Azevedo
Eduardo Milán
Eduardo Pitta
Régis Bonvicino em El País/Espanha
Odile Cisneros (2)
Un Poeta Brasileño: Régis Bonvicino
Rômulo Valle Salvino

UM BARCO REMENDA O MAR 
Aurora Bernardini

« Retornar
 
ENTREVISTA AO PORTAL IG

PÁGINA ÓRFÃ (2007)

6 de março de 2007

"NÃO QUIS FAZER POEMAS BONITINHOS, MAS POEMAS ORDINÁRIOS", DESCREVE BONVICINO, SOBRE PÁGINA ÓRFÃ
Nara Alves, para o Portal iG Rio

O poeta Régis Bonvicino lança Página órfã, pela Martins Editora. João Adolfo Hansen, um dos mais respeitados críticos literários brasileiros, definiu Bonvicino como um poeta que, em seu novo livro, “intensifica a barbárie da referência e dramatiza pressupostos estéticos e políticos de sua poesia sabendo coisas fundamentais, hoje arquivadas”. Bonvicino concedeu ao Último Segundo uma entrevista sobre Página órfã.

Nara Alves: Página órfã é uma coletânea de poemas escritos entre 2004 e 2006? Onde o leitor encontra uma unidade no livro?

Régis Bonvicino: Página órfã não é uma coletânea de poemas, mas um livro de poemas. Sempre criei meus livros como projetos de unidade e, agora, mais maduro, aos 52 anos, esse ato torna-se quase automático em mim. O leitor vai encontrar unidade no seguinte: tradição de vanguarda, ousadia na construção dos poemas (e não me venham os manés, os dogmáticos da parvoíce, falar em “concretismo” – maneira sórdida de tentar rasurar qualquer poesia que não esteja conforme à mediocridade –, porque falo de técnicas futuristas, dadaístas (nonsense), construtivistas de um modo geral (Drummond, Murilo Mendes e João Cabral, no Brasil) e desconstrutivistas até, e exploração intensa de temas contemporâneos, antiliterários por natureza. Os poemas são diretos (legíveis), duros (críticos), políticos, falam de moda, de grafites, de beldades, de afetos dolorosos, de personalidades partilhadas pela mídia, como Kate Moss, Gisele Bündchen, Caetano (Kaetán), de mendigos; não quis fazer poemas “bonitinhos”, mas poemas “ordinários” (no sentido plurívoco da palavra), compondo uma visada pouco complacente – espero – em relação às cidades e a seus clichês, às pessoas, ao Brasil e à própria idéia de “poesia” e de “arte”, e inclusive a de “vanguarda” praticada entre nós – que abertamente questiono; afirmo, idem, que o livro não é proselitista, o que poderia parecer, pelo que acabei de dizer. Mas, como dizia Drummond, e eu concordo, quem melhor “fala” por um livro são seus poemas.

NA: O senhor se considera um poeta crítico, que reflete em seu trabalho cenas do cotidiano de locais públicos urbanos?

RB: Página órfã trabalha com o junkspace internacional e introjetado no Brasil, para usar a definição de Hansen – ou seja, a de junkspace –, trabalha com o sujo. E com as escrituras sujas da cidade, como já disse, dos grafites, entre outras, como também spams de prostitutas etc. A internet é ainda considerada uma escritura suja, sem “autoridade”. Por exemplo, termino o poema que dá título ao livro Página órfã com a assinatura do autor e o título de um grafite do Nunca (24 anos), que vi na avenida Brigadeiro Luiz Antônio: “Nunca, imitação de vida”. Transformei o Nunca e seu título num verso, aliás, admiro o trabalho do Nunca bem mais do que o da maioria – argh! –dos poetas e artistas plásticos do “circuito oficial”. Admiro Osgemeos, que fizeram a ilustração da capa do livro. Jean Michel Basquiat me inspirou muito mais do que a leitura de poetas. O filme Muholland Drive, de David Lynch, que trabalha com a questão da imagem versus a auto-imagem etc. Quanto ao “considerar-me” de sua pergunta, não me considero nada... Um dia, há anos, disse ao poeta norte-americano Michael Palmer, aqui em São Paulo, que eu era o professor de nada!

NA: No dia-a-dia, é normal ouvirmos e falarmos palavras ou frases em inglês e espanhol. Na poesia, não. Qual é a função da língua estrangeira em seus poemas?

RB: Não me considero um poeta brasileiro há muito tempo, mas um poeta que vive e escreve no Brasil. Não uso tantas palavras estrangeiras em Página órfã, mas uso-as com prazer e ideologia: essa “mestiçagem” elimina uma visão única de vida, de história, de poesia, de país, de cultura. Como observa a poeta porto-riquenha Lourdes Vasquez, a interação de línguas e culturas confronta as visões hegemônicas.

NA: Alguns poemas de Página órfã foram criados a partir da leitura de jornais, tablóides, revistas, internet? Como as notícias lhe inspiram?

RB: Sim, tudo isso. Li também o poeta chinês Yao Feng, o norte-americano Charles Bernstein e o russo Arkadii Dragomoshchenko, mais no final da criação de Página órfã, porque, além de gostar de seus poemas, eu os estava traduzindo. Por exemplo, o título e o primeiro verso do poema “It's not looking great!” foram retirados do jornal inglês The Sun: “Cocaine, Kate: it's not looking great!”. Mas, sobretudo, o livro adveio de minha experiência diária no centro velho de São Paulo, na Liberdade, no Bexiga, na avenida Amaral Gurgel etc.


Copyright © Régis Bonvicino




Topo
 
  Desenvolvido por CódigoTecnologia.com