Prosa Crítica
 
Conteúdo desta seção:
 
A ANTROPOFAGIA DE TARSILA DO AMARAL, RAUL BOPP E OSWALD DE ANDRADE: UMA ESTRATÉGIA BRASILEIRA PARA CULTURA E POESIA NUM MUNDO GLOBALIZADO
A COPISTA DE KAFKA
A FUNÇÃO DA POESIA
A GELÉIA GERAL DO ESTADO NA ÁREA DA CULTURA
A IDÉIA TOTALITÁRIA DE "CANÔNE"
A IMPROVÁVEL POESIA DAS AMÉRICAS
A MPB NO LIMBO
A poesia e a língua portuguesa na era da internet
A QUERELA DO BRASIL
A VANGUARDA QUE SE ENCARNOU NA HISTÓRIA
ALGUMAS TENSÕES NA FIGURA DE HAROLDO DE CAMPOS
AS SIBILAS DE HENRIQUETA LISBOA
BAKHTIN, O CORPO, CREELEY E GIRONDO
BORGES: O POÉTICO E A POESIA
BOTELHO DE OLIVEIRA: UM COADJUVANTE DE GREGÓRIO E VIEIRA
CAETANO VELOSO ATACA DE NOVO
CAETANOGATE
Claude Lévi-Strauss
CLICHÊS SOBRE MICHAEL JACKSON
CONVERSAS COM GAUDÍ
CRISANTEMPO
CULTURA E ESPETÁCULO EM “A MODA E O NOVO HOMEM”, DE FLÁVIO DE CARVALHO
DESPOESIA - AUGUSTO DE CAMPOS, 1994
DILATÁVEIS DESAFIAM A MÍDIA
EM SÃO PAULO - LEMBRANÇAS FRAGMENTÁRIAS DA VISITA DE BOB CREELEY EM 1996
ESPLENDOR & SEPULTURA
ESTADO ACTUAL E CREATIVO DA LINGUA PORTUGUESA EN BRASIL - UNIVERSIDADE LIBRE IBEROAMERICANA EN GALICIA (AULIGA)
FÁBULAS POÉTICAS PARA OS OLHARES DE NUNCA
FAUSTINO OU A RECUSA AOS DISCURSOS DE PERMANÊNCIA
FLÁVIO DE CARVALHO: AMBIÇÃO DE SENTIDOS NOS TRISTES TRÓPICOS
IDENTIDADES EM CONFLITO: 12 POETAS CATALÃES
INVENTÁRIO DE CICATRIZES, DE ALEX POLARI DE ALVERGA
JOAN BROSSA: UM DIÁLOGO COM JOÃO CABRAL
JULGAMENTO DE CEAUSESCU LEMBRA OBRA DE IONESCO
KAIKO: UM POUCO DE LEMINSKI
LEÓN FERRARI VERSUS GREGOR SAMSA
MAIAKÓVSKI NA AMÉRICA
MARIO QUINTANA: O POEMA FAZ-SE
MEU LIVRO PREDILETO
MEU NOVO NOME: GREGOR SAMSA
MEU TIO ROSENO, A CAVALO DE WILSON BUENO
MIRÓ E CABRAL: LINHAS CRUZADAS
MURILO LEVA O ATO CRÍTICO PARA O ESPAÇO DE SUA POESIA
MURILO MENDES E A POESIA BRASILEIRA DE HOJE
NOTA SOBRE DRUMMOND
NOVELAS, DE BECKETT: À ESQUERDA DA MORTE
O ARTISTA CONFESSO
O CAMP NOU OU POR QUE SE CALAM OS ESCRITORES CATALÃES?
O fascínio pelo “literário” no Brasil
O LEGADO DE OCTÁVIO PAZ
O PARNASO-MARXISMO
O PESADELO DO PODER DE CIVILIZAÇÃO: A UTOPIA BRASILEIRA DE MÁRIO FAUSTINO
O POEMA ANTIFUTURISTA DE DRUMMOND
O RETRATO DE FABIUS NASO (BREVE NOTA SOBRE "AT PASSAGES", DE MICHAEL PALMER)
OS CUS DE JUDAS
PIVA: ENTRE O MITO E O MERECIMENTO
POESIA COMPLETA DE RAUL BOPP
Poeta Régis Bonvicino na China
POETAS FRANCESES DA RENASCENÇA
Princess Hijab
QUEDA DO MURO DE BERLIM: MUNDO DO PENSAMENTO ÚNICO
REPTO INCOMUM
REVERSO: EROS, MONTAGEM E INOVAÇÃO EM MÁRIO FAUSTINO
ROBERTO: ENTRE EL MITO Y EL MÉRITO
SALVOS SON OS TRAEDORES
SEXO E GÊNERO EM PARQUE INDUSTRIAL, DE PAGÚ
SOBRE A POESIA ORTÔNIMA DE FERNANDO PESSOA
SOBRE DÉCIO PIGNATARI
SOBRE JACQUES ROUBAUD
SOBRE JÚLIO BRESSANE
SOBRE UNGARETTI
STEIN: VANGUARDA E CIVILIZAÇÃO
TAMANHA ANULAÇÃO DA EXISTÊNCIA
TANTAS MÁSCARAS* (RECONHECIMENTO DE UMA NOVA POESIA BRASILEIRA)
THE DISPLACEMENT OF THE "SCHOLASTIC": NEW BRAZILIAN POETRY OF INVENTION
UM LUGAR PARA A VOZ DO POETA
UM LUGAR PARA JOSÉ PAULO PAES
UMA BRASILEIRA EM HONDURAS, ONDE VIVEU JOÃO CABRAL
VALENTE

« Retornar
 
REPTO INCOMUM
Régis Bonvicino

Wilson Bueno está entre a meia dúzia de prosadores que realmente conta no Brasil – Brasil medíocre do violeiro e “prosador” Chico Buarque, dos imitadores obsessivos de José Agripino de Paula, dos “poetinhas”, colunistas sociais manés, e outros, analisados por Alcir Pécora em seu ensaio “Momento crítico”, publicado na revista Sibila em 2004, verdadeiro divisor de águas da crítica literária.

Bueno utiliza, em A copista de Kafka (São Paulo, Planeta, 2007), a relação amorosa real entre Felice Bauer e Franz Kafka (1883-1924) para forjar uma ficção, em termos formais, à la Kafka, ou, mais pertinente, à la Wilson Bueno de Manual de zoofilia, de 1991 (Florianópolis, Noa Noa), valendo-se do objetivismo e da sobriedade ao narrar – o que confunde ficção e relato reportativo, para emprestar certa “credibilidade” ao narrado, ou melhor, ao menos certa “autoridade”, como se reconhecesse implicitamente que toda ficção não dá mais conta do real e, sobretudo, de si mesma enquanto linguagem, e não passa de blablablá diante do mundo tanatológico do Iraque, de Mianmá e da cidade de São Paulo (que responde por 1% dos homicídios ocorridos anualmente no mundo todo). Bueno opta por voltar-se, então, para a metaprosa, a prosa sobre a prosa, no caso a de Kafka, e acaba por se lançar a um desafio invencível: A copista de Kafka está aquém de qualquer Kafka, obviamente. Como quase todos estão aquém de Kafka, obviamente.

O livro compõe-se de pequenos capítulos, uns com a voz explícita de Felice Bauer, e outros com a voz de um narrador anônimo. Leiamos o segundo capítulo, intitulado “zbwsk”, um rapaz (?) que vive na casa da tia Ludmila e seus filhos autoritários. A personagem se autodefine como “aquilo que restou sozinho no mundo”. A metaprosa emerge quando ele afirma: “antes meu nome fosse outro e outro o destino. Arrasto as cadeiras da casa; limpo, obsessivo, tarde da noite, o chão debaixo das mesas – sem que ninguém da casa saiba, veja ou ouça”. Metaprosa: a junção do nome ao destino. Cuida-se, pois, de uma situação kafkiana, desde o nome “anônimo” e impronunciável da personagem ao argumento em si, todavia, sem o toque infernal de Franz Kafka, que, já no início do século xx, destituía as situações de sentindo jurídico ou psicológico (O processo) ou revelava o absurdo, digamos, total, na personagem Gregor Samsa, de A metamorfose. Como disse, Bueno quis se imolar, cansado dos reptos comuns. Cito outro capítulo à la Kafka, “O dente”, que se transforma em personagem falante: “o arremedo de um dente fabricado pelo protético”. Ou seja, Bueno tenta aprofundar as situações paródicas, tornando-as mais caricatas ainda: “ora esfregando em mim a sua grande língua [a do dono]; ora a exibir-me em bailes e nos salões a elogiável e lisa textura”.

Chegamos, agora, ao ponto relevante de A copista de Kafka: o de reintroduzir o grotesco e o absurdo na ficção brasileira por uma via mais analítica e nada pop, esta o verdadeiro mainstream praticado por aqui, sobretudo pelos jovezinhos de butique. A dicção reflexiva que mencionei encontra seu auge no capítulo “Carta ao senhor M. K. ou corcunda” – análise do medo real, e não fictício, de Kafka, que temia ficar concurda: “De poucas coisas, até aqui, tive medo na vida, senhor M. K., mas sou obrigado a vos revelar nestas linhas tortas e talvez este seja o maior motivo que me leva a escrevê-las, de que sofro, todavia, o sagrado horror de ganhar sobre as costas uma corcova”.

Elejo o capítulo “Andrômeda ou a sombra”, como o meu preferido, pelo tom sutilmente atual, realista: “sou, agora, apenas um homem, um homem sozinho que acaba de perder sua maior companhia – a sombra que segue consigo”. O capítulo finda com: “Há um enunciado muito velho [...] que assegurava serem as sombras fugidias projeções dos filhos de Andrômeda, seres feitos de espelho, onde a poeira estelar, dizem, refulgia, a lançar sobre terrenos minados, deles, o exato desenho”. É um retrato do homem real, de hoje, do homem “1984”, orwelliano e “kafkanizado”. Houaiss ensina que “andrômeda” quer dizer aquele que se preocupa e/ou sonha com alguma coisa; há, também, na etimologia da palavra, o sentido de “medida”. A medida, para Bueno, é o desastre do mundo de Bush & do “socialismo” datado de Fidel, que, por ora, não sonha mais, diante de infindos “terrenos minados”. Os momentos menos inspirados do livro estão nos três capítulos curtos, onde são lançados pequenos poemas ou aforismos, à la Leminski, exceto quando Bueno escreve, sob o título “Alforria”: “Um cão que ultrapassa a carroça é um cão livre do dono”. Aqui, depois de seguir os passos Kafka, Bueno reaparece, lírico, como que repropondo o (impossível) sonho, o que nunca faria o autor de O processo.

A copista de Kafka

Wilson Bueno

São Paulo, Planeta, 2007, 197 p.


Kafka por Andy Warhol


Copyright © Régis Bonvicino



Topo
 
  Desenvolvido por CódigoTecnologia.com