Prosa Crítica
 
Conteúdo desta seção:
 
A ANTROPOFAGIA DE TARSILA DO AMARAL, RAUL BOPP E OSWALD DE ANDRADE: UMA ESTRATÉGIA BRASILEIRA PARA CULTURA E POESIA NUM MUNDO GLOBALIZADO
A COPISTA DE KAFKA
A FUNÇÃO DA POESIA
A GELÉIA GERAL DO ESTADO NA ÁREA DA CULTURA
A IDÉIA TOTALITÁRIA DE "CANÔNE"
A IMPROVÁVEL POESIA DAS AMÉRICAS
A MPB NO LIMBO
A poesia e a língua portuguesa na era da internet
A QUERELA DO BRASIL
A VANGUARDA QUE SE ENCARNOU NA HISTÓRIA
ALGUMAS TENSÕES NA FIGURA DE HAROLDO DE CAMPOS
AS SIBILAS DE HENRIQUETA LISBOA
BAKHTIN, O CORPO, CREELEY E GIRONDO
BORGES: O POÉTICO E A POESIA
BOTELHO DE OLIVEIRA: UM COADJUVANTE DE GREGÓRIO E VIEIRA
CAETANO VELOSO ATACA DE NOVO
CAETANOGATE
Claude Lévi-Strauss
CLICHÊS SOBRE MICHAEL JACKSON
CONVERSAS COM GAUDÍ
CRISANTEMPO
CULTURA E ESPETÁCULO EM “A MODA E O NOVO HOMEM”, DE FLÁVIO DE CARVALHO
DESPOESIA - AUGUSTO DE CAMPOS, 1994
DILATÁVEIS DESAFIAM A MÍDIA
EM SÃO PAULO - LEMBRANÇAS FRAGMENTÁRIAS DA VISITA DE BOB CREELEY EM 1996
ESPLENDOR & SEPULTURA
ESTADO ACTUAL E CREATIVO DA LINGUA PORTUGUESA EN BRASIL - UNIVERSIDADE LIBRE IBEROAMERICANA EN GALICIA (AULIGA)
FÁBULAS POÉTICAS PARA OS OLHARES DE NUNCA
FAUSTINO OU A RECUSA AOS DISCURSOS DE PERMANÊNCIA
FLÁVIO DE CARVALHO: AMBIÇÃO DE SENTIDOS NOS TRISTES TRÓPICOS
IDENTIDADES EM CONFLITO: 12 POETAS CATALÃES
INVENTÁRIO DE CICATRIZES, DE ALEX POLARI DE ALVERGA
JOAN BROSSA: UM DIÁLOGO COM JOÃO CABRAL
JULGAMENTO DE CEAUSESCU LEMBRA OBRA DE IONESCO
KAIKO: UM POUCO DE LEMINSKI
LEÓN FERRARI VERSUS GREGOR SAMSA
MAIAKÓVSKI NA AMÉRICA
MARIO QUINTANA: O POEMA FAZ-SE
MEU LIVRO PREDILETO
MEU NOVO NOME: GREGOR SAMSA
MEU TIO ROSENO, A CAVALO DE WILSON BUENO
MIRÓ E CABRAL: LINHAS CRUZADAS
MURILO LEVA O ATO CRÍTICO PARA O ESPAÇO DE SUA POESIA
MURILO MENDES E A POESIA BRASILEIRA DE HOJE
NOTA SOBRE DRUMMOND
NOVELAS, DE BECKETT: À ESQUERDA DA MORTE
O ARTISTA CONFESSO
O CAMP NOU OU POR QUE SE CALAM OS ESCRITORES CATALÃES?
O fascínio pelo “literário” no Brasil
O LEGADO DE OCTÁVIO PAZ
O PARNASO-MARXISMO
O PESADELO DO PODER DE CIVILIZAÇÃO: A UTOPIA BRASILEIRA DE MÁRIO FAUSTINO
O POEMA ANTIFUTURISTA DE DRUMMOND
O RETRATO DE FABIUS NASO (BREVE NOTA SOBRE "AT PASSAGES", DE MICHAEL PALMER)
OS CUS DE JUDAS
PIVA: ENTRE O MITO E O MERECIMENTO
POESIA COMPLETA DE RAUL BOPP
Poeta Régis Bonvicino na China
POETAS FRANCESES DA RENASCENÇA
Princess Hijab
QUEDA DO MURO DE BERLIM: MUNDO DO PENSAMENTO ÚNICO
REPTO INCOMUM
REVERSO: EROS, MONTAGEM E INOVAÇÃO EM MÁRIO FAUSTINO
ROBERTO: ENTRE EL MITO Y EL MÉRITO
SALVOS SON OS TRAEDORES
SEXO E GÊNERO EM PARQUE INDUSTRIAL, DE PAGÚ
SOBRE A POESIA ORTÔNIMA DE FERNANDO PESSOA
SOBRE DÉCIO PIGNATARI
SOBRE JACQUES ROUBAUD
SOBRE JÚLIO BRESSANE
SOBRE UNGARETTI
STEIN: VANGUARDA E CIVILIZAÇÃO
TAMANHA ANULAÇÃO DA EXISTÊNCIA
TANTAS MÁSCARAS* (RECONHECIMENTO DE UMA NOVA POESIA BRASILEIRA)
THE DISPLACEMENT OF THE "SCHOLASTIC": NEW BRAZILIAN POETRY OF INVENTION
UM LUGAR PARA A VOZ DO POETA
UM LUGAR PARA JOSÉ PAULO PAES
UMA BRASILEIRA EM HONDURAS, ONDE VIVEU JOÃO CABRAL
VALENTE

« Retornar
 
SOBRE JACQUES ROUBAUD
Jacques Roubaud é um dos mais conhecidos e reconhecidos poetas franceses contemporâneos não só em seu país mas no estrangeiro. Sua obra ou parte dela está traduzida para inúmeros idiomas e entre eles, para que se verifique o alcance de sua difusão, o japonês. Roubaud, que nasceu em 1932, em Couluire et Curie, na Provença, é membro do grupo literário OuLiPo (Ouvroir de la Literature Potencielle), fundado por Raymond Queneau e François Le Lionnais em 1960 e que teve, em suas fileiras, Ítalo Calvino. Quem quiser pode visitar seu website, que está ativo no seguinte endereço: http://www.oulipo.net . Trata-se de um grupo experimental que buscava, em seu início ao menos, descobrir novas estruturas e padrões para a literatura, na verdade, uma das respostas francesas à questão das vanguardas, que foi recolada em pauta nos anos de 1950 e 1960 no mundo todo. Roubaud, que é também um matemático de renome, foi parceiro de Octavio Paz, do italiano Edoardo Sanguineti e do norte-americano Charles Tomlinson num poema coletivo intitulado “Renga”, de 1969. Sua bibliografia é extensa e inclui, além de poesia, crítica, ensaística, matemática e tradução.

Inês Oseki-Depré, tradutora de Quelque chose noir, de 1986, que acaba de ser lançado no Brasil (Editora Perspectiva, 2005, 148 páginas) com o título Algo:preto, explica-nos, em seu prefácio, que ele foi escrito sob o impacto “da morte prematura de sua mulher, a fotógrafa Alix Cleo Roubaud”. Sem essa nota, o leitor teria, ante a linguagem abstratizante do poeta, quase que advinhar que, na peça, se cuida da morte da amada. Na verdade, a informação, apontando para um acontecimento concreto, choca-se com a natureza do texto. No volume ora editado, a tradução não se faz acompanhar pelo original francês. E, em conseqüência, o longo poema composto por fragmentos de prosa e poucos versos, tem que ser “lido” como se tivesse sido escrito, originalmente, em português. Oseki-Depré, uma brasileira, que reside e leciona na França há várias décadas, expressa-se deste modo sobre Algo: preto, realçando seu caráter vanguardista: “... O passado da tradição, a poesia trovadoresca ou japonesa subjacente, o rigor e a regra, todos os elementos que na nossa língua oferecem, assim esperamos, algo: novo, no caso, a tradução se esforçou em “keep it new””. Portanto, não se trata de abuso do crítico ler o poema em português como se fosse mesmo o original.

A primeira decepção, como já adiantei, é o tom abstratizante e subjetivo, deste poema de Roubaud, ao contrário do estilo “ice cube”, seco,inventivo, a conciliar tradição e inovação, tal como apregoado por Oseki-Depré. Exemplos não faltam: “... eis o fim ... o fim onde não há verdade alguma / além de uma palma de folhas em espaço ... com seus excessos...”. Ou: “...Na superfície do líquido, arquipélagos de pó marrom tornam-se ilhas negras bordadas de uma lama cremosa que se afundam lentamente, horríveis...”. Não se escapa de dizer que o tom é “kitsch”, a revelar também seu propósito nobilante, o de transformar poesia em filosofia, por meio de sentenças vagas, como em “Ludwig Wittgenstein”: “... Puseste a fotografia da pedra na parede, sobre o papel marrom escuro, japonês, da parede: um pedaço de túmulo está na imagem...”. Outro dos grandes problemas Algo: preto encontra-se no uso e abuso, canônico, da segunda pessoa do singular, como no pequeno trecho citado ou em: “...Mas eis que: naquele instante eu pensava em outra coisa / sob os olhos do amor, infeliz: fracassado! / Não fales, não protestes, não penses, transparente ou não, bela ou desdenhável” E não se diga que exemplos estão descontextualizados. Tais características disseminam-se por todo o trabalho. O que se denomina de fusão artística da tradição com a transgressão, neste caso, tem resultado bastante duvidoso. Examinemos, brevemente, o fragmento “Pexa e hirsuta”, onde se invoca Dante. Pexa é mulher da tribo, hoje extinta, dos pexetins, que habitavam as margens do Rio Tocantins, a insinuar, como título, a nudez de uma mulher, uma nudez pura, natural O poema rememora uma cena de sexo com a sua própria mulher, agora morta: “Dante chama de hirsutos esses pedregulhos presos nos vocábulos e que suspendem o curso do verso em seu decurso”. Há um duplo sentido em hirsuto, inteligentemente utilizado: o de “duro”, a corresponder com o pedregulho, e o de “pelos longos”, a evocar a vagina. Mas, a autoridade de Dante perde-se no acontecer das palavras: “... Hirsuta a fragmentação de teus nomes, / eu os dizia sempre juntos, um chocando-se ao outro :/ Alix Cleo. / (...) / O que havia de hirsuto em tua nudez não era tua cabeleira baixa pretíssima em torno da umidade onde a língua passava escorrendo-te / Não a nudez mas teu nome. Em pleno gozar de ti dizê-lo”. Talvez este seja um dos melhores trechos de todo o livro, a ausência transformada em nome, em nomeação, embora marcado pelo fracasso em fundir tradição com vanguarda, acentuado por um filosofismo intelectual, que apaga a própria materialidade da cena, explicando-a na chave de ouro ou sentenciosidade de “em pleno gozar de ti dizê-lo”.

Muitos podem argumentar que, em Algo: preto, Roubaud faz um belo ensaio sobre o luto, sobre a perda, sobre a ausência do ser amado, um tema, note-se, tradicional. E que as restrições que faço aqui são meramente formais mas não o são. O uso das palavras afeta seus sentidos e o poema todo acaba resultando bastante confuso. Há de fato bons momentos consistentes sobretudo nos poemas eles mesmos quando Roubaud abandona a prosa curta, filosofante, para despojar-se nas palavras, a la Robert Creeley, como em “Luz, por exemplo”, onde também rememora sexualmente Alix Cleo: “ luz, por exemplo, preto / vidros. / boca fechada, abrindo-se à língua / janela / reunião de gizes / seios. depois embaixo. a mão se aproxima, penetra / Abre / Lábios penetrados, de joelhos/ Lâmpada lá molhada / Olhar repleto de tudo”. Não foi dessa vez, infelizmente, que Roubaud revelou-se um poeta significativo em português.


Copyright © Régis Bonvicino




Topo
 
  Desenvolvido por CódigoTecnologia.com