Prosa Crítica
 
Conteúdo desta seção:
 
A ANTROPOFAGIA DE TARSILA DO AMARAL, RAUL BOPP E OSWALD DE ANDRADE: UMA ESTRATÉGIA BRASILEIRA PARA CULTURA E POESIA NUM MUNDO GLOBALIZADO
A COPISTA DE KAFKA
A FUNÇÃO DA POESIA
A GELÉIA GERAL DO ESTADO NA ÁREA DA CULTURA
A IDÉIA TOTALITÁRIA DE "CANÔNE"
A IMPROVÁVEL POESIA DAS AMÉRICAS
A MPB NO LIMBO
A poesia e a língua portuguesa na era da internet
A QUERELA DO BRASIL
A VANGUARDA QUE SE ENCARNOU NA HISTÓRIA
ALGUMAS TENSÕES NA FIGURA DE HAROLDO DE CAMPOS
AS SIBILAS DE HENRIQUETA LISBOA
BAKHTIN, O CORPO, CREELEY E GIRONDO
BORGES: O POÉTICO E A POESIA
BOTELHO DE OLIVEIRA: UM COADJUVANTE DE GREGÓRIO E VIEIRA
CAETANO VELOSO ATACA DE NOVO
CAETANOGATE
Claude Lévi-Strauss
CLICHÊS SOBRE MICHAEL JACKSON
CONVERSAS COM GAUDÍ
CRISANTEMPO
CULTURA E ESPETÁCULO EM “A MODA E O NOVO HOMEM”, DE FLÁVIO DE CARVALHO
DESPOESIA - AUGUSTO DE CAMPOS, 1994
DILATÁVEIS DESAFIAM A MÍDIA
EM SÃO PAULO - LEMBRANÇAS FRAGMENTÁRIAS DA VISITA DE BOB CREELEY EM 1996
ESPLENDOR & SEPULTURA
ESTADO ACTUAL E CREATIVO DA LINGUA PORTUGUESA EN BRASIL - UNIVERSIDADE LIBRE IBEROAMERICANA EN GALICIA (AULIGA)
FÁBULAS POÉTICAS PARA OS OLHARES DE NUNCA
FAUSTINO OU A RECUSA AOS DISCURSOS DE PERMANÊNCIA
FLÁVIO DE CARVALHO: AMBIÇÃO DE SENTIDOS NOS TRISTES TRÓPICOS
IDENTIDADES EM CONFLITO: 12 POETAS CATALÃES
INVENTÁRIO DE CICATRIZES, DE ALEX POLARI DE ALVERGA
JOAN BROSSA: UM DIÁLOGO COM JOÃO CABRAL
JULGAMENTO DE CEAUSESCU LEMBRA OBRA DE IONESCO
KAIKO: UM POUCO DE LEMINSKI
LEÓN FERRARI VERSUS GREGOR SAMSA
MAIAKÓVSKI NA AMÉRICA
MARIO QUINTANA: O POEMA FAZ-SE
MEU LIVRO PREDILETO
MEU NOVO NOME: GREGOR SAMSA
MEU TIO ROSENO, A CAVALO DE WILSON BUENO
MIRÓ E CABRAL: LINHAS CRUZADAS
MURILO LEVA O ATO CRÍTICO PARA O ESPAÇO DE SUA POESIA
MURILO MENDES E A POESIA BRASILEIRA DE HOJE
NOTA SOBRE DRUMMOND
NOVELAS, DE BECKETT: À ESQUERDA DA MORTE
O ARTISTA CONFESSO
O CAMP NOU OU POR QUE SE CALAM OS ESCRITORES CATALÃES?
O fascínio pelo “literário” no Brasil
O LEGADO DE OCTÁVIO PAZ
O PARNASO-MARXISMO
O PESADELO DO PODER DE CIVILIZAÇÃO: A UTOPIA BRASILEIRA DE MÁRIO FAUSTINO
O POEMA ANTIFUTURISTA DE DRUMMOND
O RETRATO DE FABIUS NASO (BREVE NOTA SOBRE "AT PASSAGES", DE MICHAEL PALMER)
OS CUS DE JUDAS
PIVA: ENTRE O MITO E O MERECIMENTO
POESIA COMPLETA DE RAUL BOPP
Poeta Régis Bonvicino na China
POETAS FRANCESES DA RENASCENÇA
Princess Hijab
QUEDA DO MURO DE BERLIM: MUNDO DO PENSAMENTO ÚNICO
REPTO INCOMUM
REVERSO: EROS, MONTAGEM E INOVAÇÃO EM MÁRIO FAUSTINO
ROBERTO: ENTRE EL MITO Y EL MÉRITO
SALVOS SON OS TRAEDORES
SEXO E GÊNERO EM PARQUE INDUSTRIAL, DE PAGÚ
SOBRE A POESIA ORTÔNIMA DE FERNANDO PESSOA
SOBRE DÉCIO PIGNATARI
SOBRE JACQUES ROUBAUD
SOBRE JÚLIO BRESSANE
SOBRE UNGARETTI
STEIN: VANGUARDA E CIVILIZAÇÃO
TAMANHA ANULAÇÃO DA EXISTÊNCIA
TANTAS MÁSCARAS* (RECONHECIMENTO DE UMA NOVA POESIA BRASILEIRA)
THE DISPLACEMENT OF THE "SCHOLASTIC": NEW BRAZILIAN POETRY OF INVENTION
UM LUGAR PARA A VOZ DO POETA
UM LUGAR PARA JOSÉ PAULO PAES
UMA BRASILEIRA EM HONDURAS, ONDE VIVEU JOÃO CABRAL
VALENTE

« Retornar
 
SOBRE DÉCIO PIGNATARI
A reunião de toda a poesia de Décio Pignatari, um dos poetas centrais do século 20 brasileiro, de 1950 a 2000, neste novo livro, de boa qualidade gráfica, tem, entre muitos significados, o de “permitir” novas leituras, novas legibilidades, novas hipóteses de sentido, para seus poemas; hipóteses mais livres e menos previsíveis, na contramão dos discursos oficiais que foram produzidos ao longo desses mais de quarenta anos, por ele mesmo, por seus amigos e por seus adversários.

Pignatari é, para mim, o poeta do contraste e da variedade, traços que lhe conferem um caráter quase ímpar no cenário da poesia brasileira. Contraste, que se pode verificar no jogo exímio entre o alto e o baixo calão, explícito desde os seus primeiros textos, e, depois, no confronto entre o verso, a palavra e as visualidades da escrita e também no confronto entre a idéia de originalidade e de cópia, quando, por exemplo, incorpora, neste volume, traduções desacompanhadas dos poemas em suas línguas de origem. Variedade, que se pode comprovar no esforço do poeta para inventar e explorar gêneros vários de poesia.

A perícia em trabalhar oposições fez com que Pignatari escrevesse, a meu ver, um dos mais contudentes poemas dos anos de 1950, “O Jogral e a prostituta negra”. Em sua fusão bem sucedida de verso e prosa, em sua inflexão teatral sóbria, ele narra, como o próprio título anuncia, o encontro do poeta com uma prostituta negra, num cenário urbano: “ ... É à hora carbôni-/ ca e o sol em mormaço / entre sonhando e insone / A legião dos ofendidos demanda / tuas pernas em M / silenciosa moenda do crepúsculo ...”. Há inúmeros outros exemplos de versos agudos, neste embate entre alto e baixo calão, na poesia de Pignatari, este que transcrevo a seguir um tanto rilkeano: “ ... Prédios mergulham ramos de cimento, / Néons fazem dos olhos coágulos de seixos, / E esquinas lanham flancos desse rio sem peixes / De que sou fonte e náufrago no intento”.

Retomemos a tópica da variedade, que mais se evidencia, nele, em sua produção visual, que, no entanto, a confirmar a idéia permanente do contraste, nunca abandona a palavra. São de sua autoria, a meu ver, os exemplos mais cabais daquilo que se convencionou chamar de poema concreto, que, nos anos de 1950 e 1960, teve o mérito de chamar a atenção para uma determinada substantividade da poesia, que se estava perdendo. Antes de dar exemplos, gostaria de dizer que entendo por poema concreto aquele que, trabalhando com paronomásias, numa clave minimalista, com um vocabulário coloquial, apropriou-se da idéia de design industrial, rasurando, também, em tese, a idéia do “eu” lírico. (A ausência e o conservadorismo da crítica, entre outros fatores, permitiu que o conceito de “concretismo” como vanguarda se alargasse indevidamente e se estendesse absurdamente no tempo).

Exemplos, a meu ver, dos mais bem sucedidos e, por isso mesmo, ainda vivos poemas concretos: “beba coca cola”, num registro, virulento, então inédito, de antipropaganda; o poema é composto por e com doze letras, numa descontrução do slogan, que finda no brutalismo de “ ... babe (...) / caco / cola / cloaca”. E, num registro mais lírico, por mais paradoxal que pareça, o poema “organismo”, onde a palavra organismo, por meio de tratamento visual, se visceraliza e se transforma na palavra orgasmo e, por fim, na mera letra o, também de espanto!

Falando em palavras, gostaria de finalizar esta nota mencionando um dos mais fortes momentos do volume, o poema “sem essa palavra”, do beat norte-americano, já morto, Gregory Corso. Creio que sua última estrofe define, em sua ambivalência, o tom da variedade e do contraste da obra de seu recriador: “ ... Não é meu vocábulo / e já estou cheio dos seus / É melhor cortar-lhe os lábios / cortar as suas orelhas sem ouvidos / queimar o seu dicionário / É melhor / que os seus olhos ouçam e falem além disso”.

Poesia Pois é Poesia, Décio Pignatari
Ateliê Editorial - Editora Unicamp, 340 páginas, 2004


Copyright © Régis Bonvicino




Topo
 
  Desenvolvido por CódigoTecnologia.com